sábado, 1 de agosto de 2015

Vingadores - Era de Ultron (Avengers - Age of Ultron)




CONTÉM SPOILERS


Uma vez que ainda nunca falei da Marvel aqui no blog, vou começar por esclarecer dois pontos: O primeiro, prefiro a DC à Marvel. Não tenho nada contra, gosto bastante tanto dos comics como dos filmes, sempre que sai um filme tanto de uma como de outra faço todos os possíveis para ir ver ao cinema, compro livros tanto de uma como de outra, quer em inglês quer em português, mas não consigo gostar dos grandes eventos da Marvel. Não sei se isso afectou o meu julgamento ou não. O segundo ponto que quero esclarecer: Cada vez mais, com o passar do tempo começo a perder quaisquer esperanças que tinha com o nome Brian Michael Bendis. Gostei muito de Powers, adorei a passagem do escritor pela Elektra e pelo Daredevil, o Ultimate Spider-Man achei mais ou menos, tendo gostado especialmente do primeiro arco de histórias do Venom. O Moon Knight dele ainda não li, mas assim que tiver oportunidade, quero ver se compro. Dito isto, acho que o homem tem bastante habilidade para escrever arcos de heróis urbanos do que grandes eventos cross-over. A "Dinastia de M" não achei nada de especial, a "Invasão Secreta" foi uma desilusão e o "Vingadores vs. X-men" deu-me vontade de nunca mais voltar a ler um comic (apesar de muita gente não gostar, eu até achei porreirinha a run nos Guardiões da Galáxia da Marvel NOW! - Faz lembrar o vibe do filme).

Tendo isto em conta, devo dizer que até peguei neste "Era de Ultron" com algumas expectativas: Vi o filme homónimo e gostei. O nome Ultron ainda me traz memórias do arco "Ultron Unlimited" escrito pelos grandes Kurt Busiek e George Pérez (O Pérez partilha com o Neal Adam o meu nº1 de desenhistas favoritos) e devo de dizer que no final do primeiro capítulo, as minhas expectativas só tenderam a aumentar: A Mulher-Aranha é capturada por alguns vilões de terceira categoria, enquanto investiga uma assinatura de energia alienígena. Os Vingadores vão em seu socorro e, quando chegam deparam-se com o Ultron no armazém dos vilões e este imediatamente "acorda" e começam todos à batatada até o robot desaparecer. Depois a narrativa continua num futuro apocalíptico em que o Ultron conquistou a cidade e matou alguns membros dos Vingadores e os restantes vivem refugiados e escondidos (hmm, acho que já vi isto antes... Ah! É basicamente o plot do Days of Future Past, dos X-Men)  mas pronto, falta de originalidade à parte, até está tudo a correr bem. Uma sequência porreira em que o Hawkeye vai salvar o Spider-Man que tinha sido capturado, blá-blá-blá diálogos de equipa, blá-blá-blá paneis de página inteira com ilustrações do Apocalipse... basicamente a primeira parte da história acaba com o a descoberta por parte do Luke Cage de que o Ultron está no futuro e que controla o mundo actual através do andróide Visão. Após esta descoberta, o Luke Cage morre (porquê? porque é uma história pós-apocalíptica que e a morte de um personagem conhecido do público não é NADA cliché) mas ainda consegue transmitir a sua descoberta aos Vingadores, que entretanto descobriram um plano de contigência deixado pelo Nick Fury, e que pode salvar o mundo. Pronto, e é isto a primeira parte. Não é perfeito, mas também não é nenhuma abominação.

As minhas reacções ao último capítulo
Agora o segundo volume... aí é que a coisa começa a descambar. O grande plano de contenção? A placa de viagem no tempo do Dr. Doom. A equipa entra em conflito e acaba com os Vingadores a ir para o futuro para lutar com o Ultron (que por milagre pela definição da palavra "futuro" descobriram a localização exacta do Ultron), e o Wolverine e a Sue Storm a irem para o passado, com o intuito de matar o Hank Pym antes de este criar o Ultron (porque o Wolverine acha que isto é uma boa ideia e que tem tudo para dar certo). Matam o Hank Pym, cria-se uma nova linha temporal (novamente pós-apocalíptica - que surpresa!), blá-blá-blá desentendimentos, blá-blá-blá voltar a por o mundo como era, blá-blá-blá nova viagem temporal para impedir o Wolverine de matar o Hank Pym e criarem um mecanismo que irá derrotar o Ultron na época certa. No final vemos que houve consequências para o multiverso, ao mostrar todos os personagens a sentirem um grande evento que mostra versões de outros universos paralelos, e na última página, a introdução da Ângela no universo Marvel. E é isto. Nunca vi um título tão enganador (excepto talvez o do filme "The NeverEnding Story"). "Vingadores - Era de Ultron" - Pressupõem-se que será uma história dos VINGADORES com o ULTRON, mas não. Metade da história é com o Wolverine e o Ultron aparece no máximo numas 12 páginas. Isto sem dizer que o capitulo final em vez de criar um final "épico", apenas cria um tease dos próximas apostas da Marvel. Paradoxos temporais à parte, senti que este foi um evento totalmente desnecessário, de baixa qualidade e que o evento principal apenas foi feito com o intuito de vender tie-ins. Uma grande PERDA DE TEMPO (pena não ter a plataforma temporal do Dr. Doom para voltar ao passado).


Quando aos desenhos, devem de ter sido a melhor parte do livro. Para cada tipo de época temporal utilizaram um dos três artistas da saga, o que eu achei que foi uma maneira bastante positiva de diminuir as diferenças de estilo de cada (mas ainda assim são bastante evidentes). Dos três, o que gostei mais foi sem dúvida o Carlos Pacheco, se bem que os painéis de página inteira do Bryan Hitch são muito bem desenhados, criando na maioria o impacto desejado (embora já o tenha visto a fazer melhor). Não recomendo a ninguém. Miúdos novos que queiram começar a ler BD de super-heróis - Se forem para ir gastar dinheiro nesta história, aconselho-vos antes a comprar uns maços de tabaco e a começarem a fumar ás escondidas.

Para quem tiver curiosidade, pode comprar aqui

Avengers - Age of Ultron (#12.1, #1 - #10)
Brian Michael Bendis, Bryan Hitch,Brandon Peterson e Carlos Pacheco
Nota: 5/10

1 comentário: