terça-feira, 11 de agosto de 2015

The Flash - The Road to Flashpoint


CONTÉM SPOILERS



O como o próprio nome indica, este é o capítulo final antes da saga Flashpoint. Devo dizer que de todos os volumes do Johns no Flash, este foi o que mais me desiludiu. Não, não é uma má história (o Johns não têm disso), mas no geral, sente-se que foi uma história escrita algo "à pressa". Talvez não me esteja a explicar bem: o principal problema aqui penso que terá sido terem tido pouca margem de manobra para desenvolverem os personagens.

O livro começa bem com a issue #8, com uma história que não sei se ei-de classificar como "origem" ou "reboot" do Reverse-Flash, situada no futuro. Este para mim foi o melhor capitulo do livro, apesar de achar alguns desenhos algo toscos (principalmente os do Reverse-Flash a correr. Desenhar caras com expressões maléficas não é o ponto forte deste artista).

"É melhor ligar para a divisão Fringe. Eles tiveram
um caso parecido logo num dos primeiros episódios"
Nos capítulos seguintes, vemos mais uma vez o lado de investigador forense de  Barry Allen, enquanto este investiga uma série de homicídios em que as vítimas apareceram mortas devido a envelhecimento estremo precoce. A primeira das vítimas, um herói de 16 anos denominado "Elongated Kid", que estica o seu corpo, têm um uniforme semelhante ao de Ralph Dibney e pelo olhar do Barry, percebe-se uma referência rápida (ahah referência rápida. Rápida. Flash.) ao arco Identity Crisis.

Em seguida, vimos um misterioso motociclista que usufrui da Speed Force, Hot Pursuit, que se vêm a saber ser de uma terra paralela e que está a investigar uma anomalia desconhecida no continuum espaço-temporal, aparentemente originado nesta terra e que está a por em risco todos os outros universos paralelos.

Apesar de ter avisado dos spoilers, não vou revelar a identidade do Hot Pursuit nem quem é o responsável pelas mortes, mas posso dizer que o Road to Flashpoint têm muito pouca ligação com o Flashpoint em si. O livro acaba com o Reverse-Flash a dizer a frase "It all changes" (tudo muda), e acaba com um painel de um relâmpago a cair. O leitor mais casual neste ponto deve de ter ficado na expectativa se o Flashpoint é um evento sobre realidades alternativas ou sobre trovoadas de Primavera.
"Raj: It's like my girl Beyoncé says: If you like it,
 then you should've put a ring on it
. "

Não é uma má história, mas é de longe o pior volume da run (ahah run. Flash. Porra, preciso de sair), apesar de ser uma aquisição obrigatória para qualquer fã do Flash, quem ler o volume anterior e o seguinte (respectivamente The Dastardly Death of the Rogues e Flashpoint) sem ler este, praticamente não vai notar a sua falta.


Daqui a uns dias, falo um bocadinho do Flashpoint. Entretanto já sabem, se pensarem em adquirir este livro, façam-no aqui. Peço desculpa por ser chato com isto dos links, mas ando mesmo batido.


The Flash: The Road to Flashpoint
Geoff Johns, Francis Manapul e Scott Kolins
Nota: 7/10





Sem comentários:

Enviar um comentário